Nasce o escritor L. Ron Hubbard

13 Março 1911

Lafayette Ronald Hubbard (Tilden , 13 de Março de 1911 – Creston, 24 de  24 de Janeiro de 1986), mais conhecido como L. Ron Hubbard, ou ainda LRH, foi um escritor Pulp norte-americano e fundador da Igreja da Cientologia. Depois de estabelecer uma carreira como autor, mais famoso por suas histórias de ficção cientifica e fantasias, ele desenvolveu um sistema de auto-ajuda chamado Dianética, que foi publicado pela primeira vez em maio de 1950. Hubbard subsequentemente desenvolveu suas ideias numa ampla gama de doutrinas e rituais que seriam parte de um novo movimento religioso que ele chamou de Cientologia. Suas obras se tornaram textos-guias para a Igreja da Cientologia e para várias organizações afiliadas que abordam temas diversos como negócios, administração, alfabetismo e reabilitação.

Fundou a Cientologia em 1952 e supervisionou o crescimento da igreja numa organização mundial. No final da década de 1960 e início da de 1970, ele passou a maior parte do tempo no mar junto da sua frota de navios como “Comodoro” da Sea Organization, um grupo de elite dos cientologistas. A sua expedição chegou ao fim quando o Reino Unido, Grécia ,Espanha, Portugal e Venezuela fecharam os seus portos para ele. Em certo ponto, um tribunal na Austrália revogou o status de religião da igreja. Similarmente, um tribunal da França condenou Hubbard por fraude. Ele voltou para os Estados Unidos em 1975, entrando em retiro na Califórnia. Em 1983, Hubbard foi chamado de co-conspirador indireto num esquema de infiltração internacional de informação e projeto de roubo chamado “Operação Branca de Neve”. Ele passou seus últimos anos em um rancho perto de Creston, Califórnia, morrendo em 1986.

A Igreja da Cientologia descreve Hubbard como ele próprio se retratou como explorador, viajante, físico nuclear e especialista em várias áreas, como fotografia, arte, poesia e filosofia. Seus críticos o caracterizaram como mentiroso, charlatão e mentalmente instável. Apesar de muitas de suas afirmações autobiográficas terem provado ser fictícias, a Igreja rejeita qualquer sugestão de que seus relatos da vida de Hubbard não são factos históricos.