“ Elegia“ – Livro de Manuel Maria de Bocage

11 Janeiro 1790

Horridas sombras, horridos vapores,
Que enlutais estes ares carregados
Por onde vão fogindo os meus clamores;

Sinistras Aves, que funestos brados
Espalhais de Cyprestes luctuosos,
Pela negra Tristeza bafejados;

A vós consagro os prantos dolorosos,
Que meus olhos derramão contra a dura,
Antiga ley dos Fados poderosos;

Antiga ley, que á feia sepultura
Arroja sem respeito, e sem piedade
A Virtude, a Grandeza, a Formosura!

Aspera ley, que a pobre Humanidade
N’um momento, n’um átomo arremessa
Ao centro da medonha Eternidade!

Estes são excertos da poesia “ Elegia” do poeta Bocage .A obra de Bocage está repleta de lirismo, erotismo, individualismo e sátiras, com uma linguagem neoclássica, ou seja, clara, abreviada, correta e pomposa. Os temas mais explorados são: bucólicos, pastoris e da mitologia clássica.