Presidente dos USA, W.McKinley assassinado

6 Setembro 1901

assassinato de William MacKinley , o 25º Presidente dos Estados Unidos, ocorreu a 6 de Setembro de 1901 quando foi fatalmente ferido dentro do Temple of Music na Exposição Pan americana em Buffalo, Nova Iorque. McKinley estava cumprimentando o público quando foi baleado pelo anarquista Leon Czolgosz. O presidente morreu a 14 de Setembro de gangrena causada pelos seus ferimentos.

McKinley havia sido reeleito em 1900. Ele gostava de se encontrar com o público e estava relutante em aceitar a segurança disponível. O secretário particular do presidente, temia que uma tentativa de assassinato fosse ocorrer durante a visita ao Temple of Music, tirando o evento duas vezes da agenda de McKinley. O presidente colocou a visita de volta nas duas ocasiões.

Adeptos da filosofia política anarquista já haviam assassinado líderes estrangeiros anteriormente. Czolgosz tornou-se anarquista após ter perdido o emprego durante o pânico de 1893. Considerando McKinley um símbolo da opressão, achou que era seu dever assassiná-lo. Não tendo conseguido chegar perto do presidente no início da visita, Czolgosz atirou duas vezes em McKinley enquanto este estendia a sua mão para cumprimentá-lo na fila da recepção no Temple of Music. Uma bala passou de raspão, e a outra entrou no abdômen e nunca foi encontrada.

McKinley inicialmente parecia estar a recuperar se, mas a sua saúde piorou a 13 de setembro quanto os seus ferimentos começaram a gangrenar; morreu na manhã seguinte. O vice presidente Theodore Roosevelt sucedeu lhe na presidência. Após o assassinato de McKinley, pelo qual Czolgosz foi executado na cadeira eléctrica, o congresso dos estados unidos aprovou uma legislação encarregando oficialmente os serviços secretos da segurança do presidente.