Desastre do show aéreo de Ramstein

28 Agosto 1988

No dia 28 de agosto de 1988, três aviões da esquadrilha acrobática italiana Flechas Tricolores (Frecce Tricolori) se chocaram em pleno voo durante um show de acrobacias aéreas na base militar americana em Ramstein, no sudoeste da Alemanha. Um dos jatos caiu sobre a multidão de espectadores.

A festa teuto-americana daquele domingo ensolarado de agosto de 1988 atraiu um grande público. Centenas de milhares de pessoas vieram assistir às exibições de acrobacias aéreas da Força Aérea dos Estados Unidos e de seus aliados na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Para a maioria, o show aéreo foi apenas uma das atracções, além do sorvete americano, batatas fritas e hambúrguer. Muitos nem sabiam que o ponto alto do espectáculo seria a apresentação da esquadrilha acrobática italiana.

Pouco antes das 16h, a esquadrilha iniciou a sua acrobacia mais espetacular: seis jatos se preparam para a formação chamada “coração apunhalado”, em que se cruzariam a apenas alguns metros um do outro a uma velocidade de 600 quilômetros por hora.

A exibição acabou em tragédia: exatamente às 15h44, três aviões colidiram, dois caíram sobre um bosque, e o terceiro voou como uma bola de fogo em direção ao público. O balanço foi chocante: 70 mortos e mais de mil feridos. Como que antevendo o perigo, representantes das igrejas e de movimentos pacifistas não se cansaram de advertir para os perigos das ousadas acrobacias aéreas.

Os sobreviventes lutaram não só com as dores e graves sequelas permanentes. Muitos tiveram de permanecer hospitalizados durante vários meses, outros passaram por diversas cirurgias. Também a luta pela indemnização durou alguns anos.