Nascia a actriz brasileira, Tonia Carreiro

23 Agosto 1922

Maria Antonieta Portocarrero Thedim nasce em 23 de agosto de 1922, no Rio de Janeiro, em família de militares. Formada em educação física, casa-se com o artista plástico e diretor de cinema Carlos Thiré, e torna-se mãe de Cecil, futuro ator. Em seguida, vai estudar teatro na França com Jean-Louis Barrault. Ao voltar, estreia aos 25 anos no filme Querida Suzana, de Alberto Pieralise, ao lado de Anselmo Duarte, Nicette Bruno e da bailarina Madeleine Rosay. Na fita, sua beleza desperta a atenção do diretor Fernando de Barros que a convida para dois outros filmes: Caminhos do Sul (1949) e Perdida pela Paixão (1950). O cinema é o primeiro palco da estrela.

Em 1949 assiste Paulo Autran no palco, e o convida para sua estreia no teatro em Um Deus Dormiu lá em Casa, de Guilherme Figueiredo, sob direcção de Silveira Sampaio.

A bem-sucedida montagem e a alquimia entre os dois amigos são o ponto de partida para diversos espectáculos da poderosa dupla. Depois disso, a convite do empresário Franco Zampari, entra para a Cia Cinematográfica Vera Cruz, na qual protagoniza Apassionata (1952), do descobridor Fernando de Barros, Tico-tico no Fubá (1952) de Adolfo Celi, e É Proibido Beijar (1954), de Ugo Lombardi. De volta ao palco, estreia no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) em 1953, Uma Certa Cabana, de André Russin, com direcção de Adolfo Celi.

Separada de Thiré, desenvolve com o director e ator italiano Adolfo Celi uma relação profunda não só no campo afectivo, mas também no profissional. Em 1955 o casal mais Paulo Autran formam a Companhia Tônia-Celi-Autran, que estreia, em 1956, Otelo, de Shakespeare, dirigida por Celi. Na década de 60, ingressa na televisão a convite do autor Vicente Sesso para fazer na TV Excelsior Sangue do Meu Sangue, ao lado de Fernanda Montenegro e Francisco Cuoco, com direção de Sergio Britto. Na Globo participa de Pigmaleão 70, O Cafona, O Primeiro Amor, entre muitas produções.

Em 1967 despoja-se da imagem sofisticada e mergulha no universo de Plínio Marcos em A Navalha na Carne. Ao lado de Emiliano Queiroz e Nelson Xavier, e sob a direção de Fauzi Arap, vive a prostituta Neuza Suely. Uma montagem que incomoda a ditadura militar, e torna-se um dos espetáculos mais aplaudidos da temporada.

Faleceu a 3 de Março de 2018.