Nascia o jornalista e escritor, Miguel Esteves Cardoso

25 Julho 1955

Nascido em Lisboa, a 25 de julho de 1955, Miguel Esteves Cardoso é um escritor e jornalista português.

Filho de mãe inglesa e pai português, o facto de ser bilingue permitiu-lhe ter uma visão diferente de Portugal, uma visão distanciada.


Licenciou-se em Estudos Políticos, na Universidade de Manchester, doutorando-se em Filosofia Política. 
Foi professor auxiliar de Sociologia no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, investigador auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, co-fundador do Gabinete de Filosofia do Conhecimento. 
Abandonou a vida académica em 1988, para fundar o jornal O Independente, juntamente com Paulo Portas e Manuel Falcão.
Dedicou-se à escrita de crónicas sobre música pop, literatura e cinema, publicadas em vários jornais da época.


Fundou, juntamente com Pedro Ayres Magalhães, Ricardo Camacho e Francisco Sande e Castro, a Fundação Atlântica – primeira editora portuguesa independente -, tendo produzido discos de nomes tão conhecidos como Xutos e Pontapés e Delfins.
Autor de livros como A causa das coisas e O amor é fodido, MEC (como é conhecido pelos fãs) destaca-se com as crónicas que podemos ver diariamente no jornal Público, sendo estas caracterizadas por um humor subtil e uma crítica inteligente à atualidade.


Teve um forte impacto na vida política portuguesa, bem como no jornalismo e na cultura. Estreou-se nos romances em 1994, com o título acima referido, O amor é fodido, que foi um sucesso, não só pelo nome, mas pela irreverência que reside em todo o livro.
Atualmente dedica-se à publicação da sua crónica diária no jornal Público. Salienta-se, no entanto, o facto de, em 2013, a Porto Editora ter reeditado toda a sua obra.

“O mundo inteiro é muitas vezes pouco, para quem não está à procura de nada.” Miguel Esteves Cardoso, O amor é fodido