Nascia o Imperador Romano, Júlio César

13 Julho 100 A.C.

Júlio César (100-44 a. C.) foi um grande general e ditador romano. Formou com Pompeu e Crasso o Primeiro Triunvirato. Com o apoio de exército tornou-se ditador. Acumulou títulos, foi Pontífice Máximo, Ditador Perpétuo, Censor Vitalício e Cônsul Vitalício. Durante dez anos procurou unificar o mundo romano.

Caio Júlio César (Caius Julius Caesar) nasceu em Roma, Itália, em 100 a. C. numa importante família de patrícios – os nobres de sangue e de terras, a elite romana. Como todo o aristocrata romano teve uma educação esmerada, aprendeu o grego e escrevia com fluência o latim. Tornou-se um bom soldado. Atingiu a maioridade aos 16 anos e lutou na Ásia em alguns focos de resistência ao domínio romano.

Júlio César casa-se com Cornélia, filha de Cinna, que exercia o poder em Roma e era um dos principais inimigos de Sila. Em 82 a. C. nasce a sua filha Júlia. Com essa união, César atraiu a inimizade do ditador, que ordenou que todos os casamentos políticos do partido derrotado fossem desfeitos. César é obrigado a fugir e exila  sena Ásia Menor.

Com a morte de Sila em 78 a. C., Júlio César volta para a Itália, que era dominada pelo partido dos aristocratas. Júlio César apoiava o partido popular e acusou Ceneu Dolabella, um dos mais ferozes partidários de Sila, de haver enriquecido através da corrupção. O Senado e o Cônsul Pompeu opuseram se às suas acusações. Mais uma vez, Júlio César teve que fugir para a Ásia.

Em 60 a. C. com o apoio do exército, “Júlio César”, “Pompeu” e “Crasso” assinaram um pacto secreto pelo qual estabeleciam uma aliança, assumiram o comando de Roma e com a formação do “Primeiro Triunvirato” estava reduzido o poder do Senado.

Planeando monopolizar o poder, em 50 a. C, Júlio César foi eleito Cônsul da Província da Gália (atual França). Entre 58 e 57 a. C. Júlio César derrota os helvéticos, os germanos e os belgas. Em 55 a. C. os três chefes militares dividem entre si os territórios controlados por Roma.

Em 53 a. C. após a morte de Crasso, o Senado e Pompeu conspiram para derrubar César, ausente de Roma por estar governando a Gália. Em 49 a. C. ao tomar conhecimento da conspiração, Júlio César e os seus exércitos marcham sobre Roma, depois de pronunciar a famosa frase: “A sorte está lançada”. Vencidas as tropas de Pompeu, César torna-se ditador vitalício.

Após ter se proclamado ditador vitalício, Júlio César centralizou todo o poder político em suas mãos e, portanto enfraquecendo o Senado, acabou sendo vítima de uma conspiração da elite e foi assassinado nas escadarias do próprio edifício do Senado. Entre seus assassinos estava seu filho adoptivo, Brutus.