Guerra Civil do Biafra

30 Maio 1967

A crise do Biafra começou em 1966 na sequência de uma tentativa falhada de golpe de Estado na Nigéria. A maioria dos oficiais superiores envolvidos pertencia à etnia ibo (cristãos do Biafra), a elite do país. No rescaldo do golpe, 30 mil ibos foram massacrados pelos militares islâmicos.

Oito milhões de ibos viviam na região oriental da Nigéria que tinha como governador provincial o coronel Chukwuemeka Odumegwu (Emeka) Ojukwu. Foi ele que declarou a independência da região a 30 de Maio de 1967.

1200px-Biafra_independent_state_map-en.svg

Na resposta, as forças armadas nigerianas bombardearam e mataram indiscriminadamente soldados biafrenses e civis. A marinha da Nigéria fez um bloqueio que impediu o acesso a alimentos, medicamentos e armamento.

No pico da crise humanitária, cinco mil biafrenses morriam todos os dias de fome e doença. O Governo nigeriano agravou a situação ao proibir o auxílio da Cruz Vermelha Internacional.

O Biafra foi a primeira nação africana a refinar o seu próprio petróleo, o que desagradou às multinacionais que ali operavam e que tinham sede em Lagos, a capital.

Marinos-biafrennos

Um ataque da guerrilha contra pipelines da Shell-BP na região, onde o Reino Unido recolhia 20 por cento do seu petróleo, da Nigéria, ditou as alianças das petrolíferas com o Governo de Lagos.

A guerra do Biafra foi o primeiro grande desastre humanitário provocado por um conflito de origem étnica, após o Holocausto. Foi também o primeiro conflito armado do século XX em África, entre africanos, e a primeira guerra onde a questão do acesso às fontes de energia teve um peso determinante. Por esse motivo, o Reino Unido foi a única potência ocidental que alinhou com o Governo Federal da Nigéria que era apoiado pela União Soviética.

biafran-children-in-hunger-x

O conflito – e as suas consequências trágicas – foi também o primeiro a receber ampla cobertura mediática internacional.

Em 1970, a catástrofe humanitária do Biafra assumia dimensões bíblicas. Quando a região foi reintegrada na Nigéria tinham morrido cerca de três milhões de pessoas e a imagem da tragédia eram os campos de refugiados com milhares de crianças famélicas.