Nascia o arbitro PierLuigi Collina

13 Fevereiro 1960

Pierluigi Collina (Bolonha, 13 de Fevereiro de 1960) é um ex árbitro italiano de futebol. Actualmente, é dirigente arbitral, inscrito na secção Associação Italiana de Árbitros (AIA) de Viareggio.

Juiz da final do campeonato do mundo de 2002, foi eleito pela IFFHS o melhor árbitro de todos os tempos.

Fotografie_Pierluigi_Collina

Filho único de um funcionário público e uma Professora, Pierluigi Collina nasceu em Bolonha e, quando criança, sequer cogitava que poderia se consagrar através do futebol. Algo improvável para um apaixonado pelo basquetebol, torcedor fanático da Fortitudo Bologna, e que deixava o calcio para acompanhar na televisão a sua Lázio. Não o animava a carreira de jogador, depois de dois anos como líbero titular dos Allievi da Pallavicini, velha equipa emiliana. Uma lesão o “salvou”, Collina passou a apitar os treinos dos seus companheiros e não demorou a fazer um curso na cidade.

f9a178cb04423be29b391db0fd669695e7944ca4r1-650-716v2_hq

Desde seu início como árbitro, em 1977, com apenas 17 anos, Collina passou a ser observado pelos dirigentes da cidade. Assim, bastou três anos para alcançar o nível máximo regional, a Promozione, e mais três para atingir as divisões inferiores italianas. Na mesma época, sofreu com uma grave alopécia ao perder todos os cabelos, naquele sinal que o acompanharia na fama. Bem formado em Economia pela Universidade de Bolonha, mudou-se para Viarregio em 1991, quando tornou-se consultor financeiro de um banco. Neste ano, também estreou pela Série A, apitando uma vitória simples do Verona sobre o Ascoli, em 15 de Novembro. Ao fim da temporada, anotaria um recorde de partidas para um juiz estreante na primeira divisão: oito.

dt.common.streams.StreamServer (1)

Collina ganhou o seu distintivo FIFA em 1995. A partir daí, destacou SE internacionalmente. Apitou Nigéria Vs Argentina que valeu aos africanos o ouro da Olimpíada de 1996; o histórico Manchester United x Bayern de Munique na final da Campions League de 1999; o pentacampeonato do Brasil sobre a Alemanha em 2002; além do c. do mundo de 1998 e do Euro 2000. Ainda foi eleito seis vezes o melhor ábitro do mundo pela IFFHS, sete vezes o melhor italiano pela Associação Italiana de Jogadores e ganhou a ordem mais alta de reconhecimento no  seu país.

No final da temporada 2004-05 tinha 45 anos, idade na qual os árbitros são obrigados a deixar o apito, e a federação italiana mudou os regulamentos  para manter Collina nos campos por mais um ano. Como já tinha assinado um contrato publicitário de 800 mil euros anuais com a Opel, patrocinadora do Milan, acabou acusado pela Associação Italiana de Árbitros (AIA) de conflito de interesses e convocou uma conferencia de imprensa para anunciar a sua aposentação do futebol. A sua última partida foi o empate sem golos entre Pavia e Bari para a Taça de Itália, em 21 de agosto de 2005, na qual os biancorossi venceram nos penaltis. Foram 240 partidas pela Serie A e mais 109 internacionais, além de 79 na Serie B e 42 na Coppa Itália.

dt.common.streams.StreamServer

Em julho de 2007, foi nomeado consultor técnico-atlético do comitê nacional da AIA, responsabilizando SE pelas Series A e B. Entre as suas contribuições para a área, está uma das grandes definições da profissão, expressa à revista do Corriere della Sera, em 2006: “Sábio é quem pensa. O árbitro não pode ser sábio. Deve ser impulsivo. Deve decidir em três décimos de segundo”.