O Basquetebolista Magic Johnson anuncia ser portador de HIV

7 Novembro 1991

“Naquele tempo era a decisão certa”, defende “Magic” Johnson, que levou a equipa dos Los Angeles Lakers à conquista de cinco títulos e foi considerado por três vezes o melhor jogador da NBA, em 1987, 1989 e 1990. ‘Magic’ Johnson refere que se soubesse o que sabe hoje muito provavelmente continuaria a jogar basquetebol e continuaria a trabalhar.

01170709050355

“Provavelmente, não me deveria ter retirado”, afirma. “Mas, eu não sou pessoa que se costumava arrepender, não olho para trás. Estou feliz porque queria e consegui viver mais algum tempo. Naquele momento, tomámos a decisão certa”, sustenta. Em 1991, ‘Magic’, então com 32 anos, chocou o mundo do basquetebol e o desporto em geral, quando anunciou a sua retirada por haver contraído o vírus HIV, que pode levar à SIDA. Ainda, assim, no ano seguinte fez parte da melhor equipa de sempre, o ‘Dream Team’: Magic, Michael Jordan, Larry Bird, Charles Barkey, Karl Malone, John Stockton, Pat Ewing, Scottie Pippen, David Robinson, Clyde Drexler, Chris Mullin e o universitário Christian Laettner encantaram Barcelona, dando o título olímpico aos Estados Unidos.

michaeljordan-magicjohnson-1991-get

Vinte anos depois, aos 52, ‘Magic’ continua a lutar contra a doença, com um tratamento diário mais leve do que o na fase inicial, que o levou a ingerir 15 comprimidos por dia. “Costumo dizer que sou bom e mau contra o vírus”, brinca Johnson: “Bom, porque eu estou bem, posso sair e fazer alguma coisa para me animar e encorajar as pessoas a fazer o teste”.

the-annoucement-espn

No entanto, Johnson também tem consciência do lado mau da sua situação que é o de levar as pessoas a julgar que por ele estar bem não necessitarem de ser cautelosas perante o perigo de contágio do HIV. “As pessoas desvalorizam o facto de contraírem o HIV, pois a esperança e vida aumentou para os portadores do vírus, mas esquecem-se que este ano vão morrer mais de dois milhões de infectados”, explica. ‘Magic’ Johnson, que dedicou inteiramente toda a sua vida após a retirada do basquetebol à luta contra a SIDA, anunciou segunda-feira que a sua fundação doou um milhão de dólares para esta causa.