Portugal conquista Ceuta aos Mouros

22 Agosto 1415

Ceuta era no início do século XV, uma cidade marroquina situada no Norte de África. Em 1415 foi conquistada pelos portugueses. Esta conquista marca a primeira expedição dos portugueses àquele Continente.
Depois de assinado o tratado de paz entre Portugal e Castela em 1411, Portugal parte à conquista do Norte de África, sobre o comando de D. João I.
Ceuta foi a primeira diligência militar que Portugal organizou. A ‘Crónica da Tomada de Ceuta por El Rei D. João I’, escrita por Gomes Eanes de Zurara, é o relato dos preparativos para a expedição, a organização das tropas e o confronto com os mouros.
As razões que levaram os portugueses a partir para esta expedição centraram-se, segundo António Sérgio, na procura pelo trigo de Marrocos. Já Jaime Cortesão escreve que esta teve a ver com factores religiosos e com a necessidade de impedir a pirataria muçulmana no Mediterrâneo.

a-conquista-de-ceuta-6-638
Contudo, Gomes Eanes de Zurara relaciona a expansão com a “juventude” dos infantes: o cronista refere que estes não queriam ser coroados cavaleiros em festas e justas, mas sim a partir de um grande feito. A nobreza precisava exibir os seus talentos. Necessitavam provar que eram bons e que não sabiam apenas caçar, mas que também sabiam fazer a guerra.

No verão de 1415, a esquadra parte do porto de Lisboa, fazendo uma primeira paragem no Algarve onde foi divulgado o verdadeiro objectivo da missão. Depois de partir do porto de Lagos, a frota é dividida devido a uma tempestade, reunindo-se em Algeciras. Lá foi formado o conselho e decidido o que fazer a seguir, atacar Ceuta ou se voltar para Portugal. O rei decidiu avançar e manter o ataque à cidade.

a-conquista-de-ceuta-1-638
A 9 de agosto, quando os marroquinos deram pela presença portuguesa pediram ajuda às cidades vizinhas. As lutas começaram de imediato e logo foram disparados trons e bestas sobre as galés porém sem sucesso, pois estas estavam demasiado longe.
D. João I manda esperar antes de se atacar a cidade, porque devido à tempestade a frota não estava toda reunida. O plano do rei era organizar uma manobra de distração com os infantes, ou seja, a frota iria dividir-se em duas partes e quando uma delas atraísse a atenção dos mouros reorganizar-se-ia e atacariam a praia todos juntos.
Porém, a 21 de Agosto, ainda o rei não tinha dado ordens para o desembarque, notou que um dos soldados, do Conde de Barcelos tinha desembarcado e dirigia-se na direcção da praia. Também D. Henrique, desembarcou com os seus homens. Chegam 150 homens à praia, escaramuçando com os mouros e empurrando-os para dentro da cidade. Quando D. Henrique e D. Duarte viram que tinham possibilidade de entrar na cidade não esperaram pelas ordens do Rei, entrando de imediato em Ceuta.

18742616_pOJDG