Padre Bartolomeu de Gusmão inventa o Balão de Ar Quente

8 Agosto 1709

Em um dia como este, no ano de 1709, o padre português Bartolomeu Lourenço de Gusmão terminava uma série de cinco experiências com pequenos balões construídos por ele, conduzida perante a corte portuguesa. Nas três primeiras, o balão queimou se. Contudo, nas duas últimas, o invento subiu e pousou lentamente. No dia da última experiência, em 8 de Agosto, na Sala das Audiências, no interior do Palácio Real, o globo subiu até o tecto do recinto, ficou demoradamente no ar e desceu com suavidade.

Guzman

Um pouco depois de ter apresentando o invento à corte, no dia 3 de outubro de 1709, ele fez nova demonstração do invento. O equipamento era maior que os anteriores, contudo ainda não era capaz de carregar um homem. A experiência foi um sucesso absoluto: o aeróstato subiu alto, flutuou por um tempo não medido e pousou tranquilamente.

Infelizmente, estas demonstrações não foram suficientes para a popularização do invento. Os pequenos balões não foram vistos, naquela época, como uma  inovação importante ou útil, já que eram levados pelo vento e não havia como controlá-los. Além disso, eram considerados perigosos pelo risco de provocarem incêndios. Desta maneira, ninguém se aventurou a construir um modelo tripulável.

passarola700dpi

Anos depois, por diferentes motivos, o padre Bartolomeu de Gusmão acabou perseguido pela Inquisição e fugiu para a Espanha, em 1724, com o objetivo de chegar à Inglaterra. Mais tarde, seu irmão mais novo disse que Bartolomeu de Gusmão teria se convertido ao judaísmo, em 1722, depois de passar por uma crise religiosa.

Em Toledo, na Espanha, Bartolomeu ficou doente e morreu no dia 18 de Novembro de 1724, aos 38 anos. Ele se transformou em um dos personagens centrais de Memorial do Convento, romance de José Saramago.