2ª Guerra Mundial – Batalha de Monte Cassino

15 Março 1944

Em 1944, tropas polonesas da coalizão aliada na Segunda Guerra Mundial hasteiam a bandeira de seu país sobre as ruínas de um antigo mosteiro italiano, símbolo da resistência germânica desde o início do ano.

Logo pela manhã, esses soldados subiram ao topo da colina onde estava a abadia, seis dias após o início de violentos ataques contra o estratégico extremo oeste da defesa alemã, a Linha Gustavo. Tropas britânicas haviam assumido o controle da cidade fortificada de Cassino ao sopé da Colina do Mosteiro. A dura vitória dos Aliados chegou quatro meses após o primeiro assalto fracassado à área, em Janeiro.

Bundesarchiv_Bild_146-2005-0004,_Italien,_Monte_Cassino

Um anúncio oficial alemão comunicava: “Cassino, que as tropas anglo-americanas haviam atacado em vão durante meses com poderoso armamento, foi evacuada sem luta nesta quarta-feira à noite, em troca de uma posição recuada mais sólida com o objectivo de economizar nossas forças”.

Os Aliados, sob o comando geral do general Harold Alexander, começaram a quarta e última ofensiva ao Monte Cassino a 11 de maio. A Linha Gustavo foi finalmente rompida em 14 de maio. Enquanto o 5º Exército e a Força Expedicionária Brasileira, sob o comando do general norte-americano Marc Clarck, realizava um ataque em direção ao sul, o 8º Exército de tropas britânicas, polonesas, canadenses e indianas, levava a cabo um assalto frontal à linha defensiva imediata de Cassino.Adicionalmente, a Força Expedicionária Francesa, também parte do 5º Exército, atacava pelo oeste.

Segundo relatos do quartel-general aliado, o 8º Exército havia conseguido cortar a Rodovia 6, principal Estrada que ligava o sul a Roma. Dizia também que uma “substantiva proporção” da 1ª Divisão de Pára-quedistas alemã havia sido destruída. Nos seis dias de batalha pela conquista de Monte Cassino, os Aliados fizeram mais de 1500 prisioneiros.

cassino_maggio44

Mais a oeste, soldados franceses conquistaram a cidade de Espéria, aos pés do Monte D’Oro, outra posição alemã estratégica. Relatos do comando francês diziam que o avanço fora tão rápido que impediu que os alemães recolhessem seus colegas mortos. Teriam sido deixados pelo caminho mais de 400 corpos desenterrados.

Também foi abandonada uma grande quantidade de peças de artilharia. Muitos fuzis e outros equipamentos capturados acabaram sendo encontrados em condições úteis e prontos para uso.

Avançando pela Estrada que margeia a base das montanhas, afrouxando o controle que os germânicos tinham sobre a península de Gaeta, forças norte-americanas e de outros países reunidas no 5º Exército pressionaram pelo sul e capturaram Formia, na costa Adriática.

O sucesso da Operação Diadema é também fruto do simultâneo ataque à Linha Gustav, que forçou a retirada das tropas alemãs. O primeiro assalto de Janeiro fracassou quando a série de investidas coordenadas não cumpriu o plano previsto, o que permitiu aos alemães manter o crucial vale próximo do Monte Cassino.

Mosteiro de Monte-Cassino destruído

A segunda batalha começou em 15 de fevereiro com a completa destruição do mosteiro por pesados bombardeios. Contudo, o ataque foi mal planejado e as tropas aliadas mais próximas estavam demasiado distantes para tirar vantagem do bombardeio. Novamente os alemães puderam reter a posição. Na verdade, a destruição do mosteiro tornou ainda mais fácil a defesa da colina. Os alemães entrincheiraram-se detrás dos escombros e quando a terceira batalha começou em 15 de março, com bombardeios ainda mais pesados, pára-quedistas germânicos aferraram-se ao terreno, entrincheirando-se em defesa da cidade.