Nascia o estilista Christian Louboutin

7 Janeiro 1964

Christian Louboutin nasceu em 1964, em Paris. Aos 12 anos, Louboutin costumava fugir da escola para ir ao The Palace (local frequentado por Karl Lagerfeld, Yves Saint Laurent e Grace Jones nos anos 70).

Fascinado pelo local, Louboutin afirmaria, posteriormente, que o The Palace foi a inspiração principal para se tornar um designer de calçados: “As Mulheres que frequentavam o local me influenciaram muito. Se você gosta de sapatos de salto alto, aquilo era, realmente, a última palavra em saltos, tinha tudo a ver com pernas, como elas andavam, como enfeitavam e gingavam o corpo.”

christian-louboutin-4

Aos 16 anos abandonou a escola e mudou-se para Romans-sur-Isere, o centro da indústria de calçado  francesa, tornando-se, então, um aprendiz de Charles Jourdan.

Embora tenha encontrado oposição ao decidir abandonar a escola tão cedo e passar a se dedicar ao mundo da moda, Louboutin afirma que sua decisão também foi influenciada ao assistir a uma entrevista de Sophia Loren na TV. Naquela entrevista, Sophia, acompanhada da irmã, afirmava que sua própria irmã tinha abandonado a escola quando tinha 12 anos, mas que, depois, aos 50 anos tinha concluído a universidade. “Todos aplaudiram e eu pensei: ‘Ora, ao menos se eu me arrepender serei como a irmã de Sophia Loren’ “.

dt.common.streams.StreamServer

A sola vermelha, a sua marca registada, não é a única “impressão digital” que Louboutin impõe às suas obras. Ele também é especialista em criar escarpins e peep toes de acabamento impecável, idealizados especialmente para seduzir.

Mulheres determinadas a calçar um legítimo Louboutin não se incomodam em subir nos seus famosos saltos, de até 12 cm, muitas vezes com joias e outras ousadias incrustadas. Tudo em nome da elegância sexy e despretensiosa que o fetiche oferece.

Christian_Louboutin_shoes_spring_summer_2015_collection1

Em entrevista à apresentadora americana Oprah Winfrey, ele contou que a ideia de pintar a sola de vermelho laqueado veio num momento em que ele achava que as suas criações precisavam de um toque especial. “Uma funcionária minha pintava  sempre as unhas. Um dia peguei o seu esmalte, passei na sola, e o sapato ganhou vida” disse o designer. Depois disso, nunca mais as solas de um LOUBOUTIN passaram despercebidos. Em 1979, ele já conhecia a noite parisiense, as salas de música e teatros da cidade e, vidrado por esse universo sensual, decidiu criar sapatos para vender às dançarinas do Moulin Rouge e do Folies Bèrgere.