Em 1916 nascia o escritor Camilo José Cela

11 de Maio 1916

Camilo José Cela Trulock, 1º. Marquês de Iria Flavia (Pádron, 11 de Maio de 1916 — Madrid 17 de Janeiro de 2002) foi um escritor espanhol.

Ele ofereceu os seus serviços como informador para o regime de Franco e mudou-se voluntariamente de Madrid para a Galiza durante a Guerra Civil, a fim de se juntar às forças franquistas.

a

Foi membro da Real Academia Espanhola desde 1957 até à sua morte. Recebeu o Nobel da Literatura de 1989.

Começou o curso de Medicina na Universidade Complutense e assistiu a algumas aulas de Filosofia e Letras na Universidade de Madrid.

Lutou na Guerra Civil, integrado no exército nacionalista de Francisco Franco, até que foi ferido por uma granada perdida, tendo aí terminado a sua vida militar. Uma vez finda a guerra, dedicou-se ao jornalismo e ocupou vários empregos de carácter essencialmente burocrático, entre os quais o de censurador, que mais tarde o faria ser bastante criticado.

Em 1944 casou com Rosario Conde Picavea, com quem teve um filho, Camilo José Cela Conde, nascido em 1946.

No meio de um panorama caracterizado pela abundância de romances de escassa capacidade renovadora, em 1942 produz se um acontecimento de singular importância literária: a publicação de A família de Pascual Duarte (uma dura história ambientada num pequeno povoado: reflecte o mundo popular e campesino e a seres primitivos, de instintos primários e grandes paixões, onde destacam o ódio e a violência). Escrita com uma prosa brutal e crua, foi todo um acontecimento e deu lugar mesmo a uma corrente, conhecida como «Tremendismo».

camilo-jose-cela-escritor-efe-mh-de-leon

Em 1943, Pavilhão de repouso, sucessão de monólogos dos tuberculosos de um sanatório, aprofunda a linha existencialista, que em A família de Pascoal Duarte se tinha manifestado na caracterização da vida como algo absurdo.

Em 1948, Viagem a Alcarria descrevia, ainda que sem excessiva crueza, um mundo rural atrasado e marginalizado, semelhante ao de A família de Pascual Duarte.

A colméia, a obra mais importante de Cela, inaugura o realismo social dos anos cinquenta. Seria editado em 1951 em Buenos Aires, já que a censura tinha proibido sua publicação na Espanha por causa das suas passagens eróticas.

Sempre inquieto e desejoso de procurar novos caminhos narrativos, a sua seguinte novela, Mrs. Caldwell fala com o seu filho (1953), afasta-se do realismo para mergulhar na mente de uma louca que dialoga com seu filho morto.

Depois de um longo parêntese, em 1969 publica São Camilo 1936, novela experimental que, mediante um único monólogo interior, oferece uma descrição surrealista do primeiro dia da guerra civil num bordel de Madrid.

Entre as suas últimas obras destacam se Mazurca para dois mortos (1983), ambientada na Galiza, e Cristo contra Arizona (1994), que continua na sua linha experimentalista. Sua última obra publicada é Madeira de lei, e tem como argumento a vida dos pescadores da Costa da Morte.

cela-muller