1531 nascia o Rei D.António I – “O Determinado “

1 Fevereiro 1531

Foi educado para uma vida eclesiástica, mas após a morte do seu pai, recusa esta carreira. Nasceu em Lisboa em 1531 e morreu em Paris a 26 de Agosto de 1595. D. Sebastião torna-o governador de Tanger e é feito prisioneiro na batalha de Alcácer-Quibir. Após ser resgatado, regressa a Portugal, onde acaba por ser aclamado Rei, nas cortes de Santarém.

Acaba por ser derrotado na batalha de Alcântara contra os Castelhanos e perde o título. Tenta sempre recuperar o domínio do país, mas acaba por morrer em Paris sem nunca o ter conseguido. Reinou entre 19 de Junho de 1580, data das cortes de Santarém, até à derrota na batalha de Alcântara, em 25 de Agosto do mesmo ano. Embora D. Antônio tentasse recuperar o domínio do país, é evidente que o reinado dele não teve muito sucesso. D. Antônio I recebeu o cognome de “O Prior do Crato” porque este era o título dele de que já dispunha antes de se tornar Rei de Portugal.

reis-portugal-1-2-3-e-4-dinastias-19-728

Adquiriu também os cognomes de “O Determinado”, “O Independentista” ou “O Lutador”, por ter sido lutador muito determinado pela independência portuguesa do domínio espanhol. Quando foi resgatado e regressou a Portugal, D. Antônio opôs-se à candidatura de Filipe II ao trono português, dizendo que era ele o sucessor da coroa. Acabou por ser aclamado rei e por ter o apoio de quase todo o país, mas por não ter um exército organizado, nem recursos, é derrotado na batalha de Alcântara pelas tropas de D. Filipe II. Consegue fugir para o estrangeiro onde em França e Inglaterra obtém apoios para a luta contra o domínio espanhol, por estes países também estarem em guerra com Espanha. Nesse tempo, ainda consegue manter os Açores como seu domínio, que acaba por perder. Acaba por fugir para França, onde continua a tentar a sua luta, mas sem sucesso. Percebe-se então que as tentativas de D. Antônio I não foram realizadas. Quando conseguiu algo importante, logo o perdeu e tudo acabou com a sua fuga para o estrangeiro o que deu espaço à terceira dinastia, dos reis espanhóis.