A Tragédia do “Gran Circus Norte Americano “

17 de Dezembro 1961

A chegada do circo da família Stevanovich a Niterói foi um evento fascinante. “Era dos circos mais ricos que havia na América do Sul. (…) Chegava e fazia furor, uma banda em cima de uma carrinha que tinham e entrava na cidade com alto-falante – ‘Está chegando o Norte-Americano!’ (…) Tinha três ou quatro elefantes, tinha uns vinte cavalos, tinha dromedário, camelo, hipopótamo (…) Ah, tinha um dos melhores trapezistas do mundo… Não era banda, era orquestra o que tinha”, descreve um dos palhaços do circo.
Para comportar tantas atracções, as dimensões do circo eram também grandiosas. A superfície  podia abrigar 2.500 pessoas, e estava esgotada na 1ª sessão do dia 17 de dezembro de 1961. Às 15h45, quando se aproximava o fim do último número – o salto triplo dos trapezistas – teve início o maior incêndio de circo de todos os tempos.

0

Em menos de 20 minutos o circo ficou completamente destruído, com um monte de corpos carbonizados na porta principal e outros espalhados pelas cadeiras e debaixo das arquibancadas. Á saída do circo uns se arrastando, outros rasgando as suas roupas (em chamas) aos gritos. Os que conseguiram sair sem ferimento gritavam por socorro. Dois minutos depois, chegava o Corpo de Bombeiros, que teve um só trabalho: juntar os mortos nos camiões dos particulares. Tudo se tinha passado rápido demais…o fogo estava quase extinto …em pouco tempo.

O autor do crime, um ex-empregado do circo motivado por um desentendimento com o patrão, juntou-se a dois comparsas que o ajudaram a se infiltrar no circo na hora do espectáculo, derramar gasolina na lona do mesmo e em seguida atear fogo com todas as pessoas dentro. O tecido da lona, altamente inflamável, foi rapidamente tomado pelas chamas, caindo em gotas incandescentes sobre todo o público, a maior parte crianças.

28jan2013-a-tragedia-do-gran-circo-norte-americano-em-1961-na-qual-mais-de-500-pessoas-morreram-foi-o-incendio-mais-mortal-na-historia-do-pais-1359395903268_615x300

Na noite da tragédia, foram somados aproximadamente 400 vítimas. Mas nos dias subsequentes, o número de pessoas que não sobreviveram aos ferimentos, somaram mais de 500 mortos. Muitos desses corpos não foram reconhecidos, já que na época não existiam os recursos que existem hoje. Então, os restos mortais dos que não foram identificados, foram sepultados em covas colectivas.

A título de curiosidade, depois desse trágico episódio a Prefeitura de Niterói proibiu a entrada de circos no município e até hoje, nenhum outro circo nunca mais passou pela cidade.

pag-10