Morte do escritor Thomas Mann

12 de Agosto  1955

Thomas Mann (1875-1955) foi um escritor alemão. Autor de “Morte em Veneza”, um dos clássicos da literatura moderna. Considerado um dos maiores escritores do século XX. Recebeu o Prémio Nobel de Literatura, em 1929.

Der_neunjahrige_Thomas_Mann

Thomas Mann (1875-1955) nasceu em Lübeck, Alemanha, no dia 6 de junho de 1875. Filho do comerciante Johann Heinrich Mann e da brasileira Júlia da Silva Bruhns. Em 1892, com a morte do pai, a família abandona o comércio e muda-se para Munique, centro das artes e da literatura. Com o incentivo da mãe passa a se dedicar à literatura.

Em Munique, a família instalou se no bairro boémio de Schwabing, onde a sua mãe oferecia saraus literários e festas na sua casa. Em 1893 escreveu alguns textos para a revista “A Tempestade de Primavera”. Nesse mesmo ano muda-se para a Itália, para a cidade de Palestina, onde morava o seu irmão o escritor Heinrich Mann, onde permaneceu até 1898. Nessa época começou a trabalhar no manuscrito do romance “Buddenbrooks”.

De volta a Munique, trabalha como editor no jornal satírico/humorístico “Simplicissimus”. Apaixona-se por Paulo Ehrenberg, sem ser correspondido, o que definiu mais tarde como “uma experiência central do seu coração”. Entra para o exército, mas arrepende se  e consegue afastar se alegando problemas de saúde.

Thomas_Mann_1937

Em 1900 publica a sua primeira novela “Buddenbrooks”, que conta a história de uma família protestante, de comerciantes de cereais, de Lübeck, que depois de três gerações perde a sua fortuna. Inspirada na história de sua família relata factos de personalidades da sua cidade natal e o torna famoso. Em 1905 casa-se com a judia Katia Pringshein, filha de rico industrial, com quem teve seis filhos.

Em 1911, viaja para a cidade de Veneza e inspira se para escrever a novela “Morte em Veneza” (1912), onde relata a paixão platónica de um escritor de meia-idade, por um jovem e belo rapaz. Em 1915 publica um ensaio sobre Friedrich II, rei da Prússia. Em 1924 publica “A Montanha Mágica”, onde defende os ideais democráticos de uma Europa esfacelada pela Primeira Guerra Mundial. Em 1929 recebeu o Prémio Nobel de Literatura pela obra “Buddenbrooks”.

image_original

Opositor do nazismo, Thomas Mann deixa a Alemanha em 1933 e exila se em Küsnacht, na Suíça. Em 1936, o nome de Thomas e de sua família é relacionado entre os expatriados, perdendo a nacionalidade alemã. Thomas permaneceu na Suíça até 1938, quando segue para os Estados Unidos. Seis anos depois torna-se cidadão norte-americano. Nessa época, publica ensaios sobre Freud, Goethe e Nietzsche. Em 1952 vai morar na Suíça.

Thomas Mann faleceu em Kilchberg, próximo a Zurique, na Suíça, no dia 12 de Agosto de 1955.