“ZIP – ZIP“ – Concurso da RTP

24 de Maio 1969

Estávamos em Maio de 1969. O Homem ainda não tinha chegado à Lua. Salazar já não estava na cadeira do poder, assumindo-a agora Marcello Caetano. A Censura apertava o cerco à liberdade da televisão. Ramiro Valadão era o novo homem forte a conduzir os destinos da RTP, um braço aliado do poder. Mas apesar da estagnação que se vivia em Portugal, Raúl Solnado, Carlos Cruz e Fialho Gouveia propunham a realização de um programa diário, “de estúdio aberto, porta aberta”. Ramiro Valadão foi peremptório, “Era complicado… mas porque não fazer semanalmente?” – Daí a um mês nascia o Zip-Zip.

1969 Zip-Zip_thumb[2]

Raúl Solnado, Carlos Cruz, Fialho Gouveia, juntamente com Baptista Rosa, estiveram na génese da criação de um programa que iria revolucionar o panorama português não só televisivo como social. Como os próprios “mentores” do programa o afirmaram, um ano antes o “Zip” não teria sido possível. Mas agora estava-se em plena Primavera Marcelista, e a amplitude de movimentos sempre era um pouco maior. O país, esse, respondeu com entusiasmo a um programa que revolucionou as noites da televisão, o futuro de muitos programas que viriam a ser feitos, a consciência e as atitudes do público e mesmo a relação com os Censores. Alguns tabus caíam, e do primeiro ao último minuto do programa viviam-se tanto alegrias como tristezas.

Zip_07_07_10

O Zip Zip foi um dos programas mais influentes de sempre da televisão portuguesa, e foi o primeiro programa do género talk-show.

Contam-se várias histórias acerca deste programa, sendo esta uma delas: o cinema à segunda-feira é mais barato porque naquela altura o zip zip era emitido à segunda-feira, e como o país parava para ver o zip zip, os cinemas decidiram vender à segunda-feira os bilhetes mais baratos… e a moda ficou. Outra história (que o próprio Raul Solnado contou), foi que um dia foi lá ao teatro Villaret um homem da companhia das águas dizia que à noite havia uma quantidade de descargas de água das sanitas inimaginável! E o homem foi lá contou que era no intervalo do programa, que as pessoas iam fazer as suas… necessidades!

9.-ZIP-ZIP-720x422

Além de ter três apresentadores de peso, o programa mudou ideias, costumes e hábitos nos portugueses. É considerado o melhor e mais conhecido programa de televisão de Portugal de sempre, mesmo que, na lista dos 50 melhores programas de sempre das Produções fictícias, tenha ficado em 12.º lugar.

O Zip-Zip se tornou rapidamente num fenómeno de popularidade e que ficou para sempre gravado na memória dos portugueses.

A mascote do Zip Zip (que era o zip), oferecido aos convidados do programa, tornou-se depois um sucesso de vendas no grande público!

O programa pode ter só durado 32 semanas, mas na altura era muito bom que um programa durasse tanto tempo!

E as personagens? Raul Solnado criou personagens que ficaram na memória de todos, como o ladrão Alfredo, que tinha roubado uma carteira à escola «porque tinha de fazer os trabalhos de casa sentado», ou o alemão Fritz, que se chamava assim porque «o meu pai inventou as batatas frrrrritz», e o inglês John Silva com o seu «mallon», ou malhão.

Zip 09_06_1