A Organização Americana, FDA, aprova o Viagra

27 de Março  1998

Em 27 de Março de 1998, a FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos, na sigla em inglês) aprova o uso da droga denominada Viagra, um medicamento via oral que trata da impotência/disfunção eréctil e que rapidamente conquistou milhões de consumidores em todo o planeta.

Esp Viagem de Negócios Vol 11 Ed 154D

Sildenafil, nome químico do Viagra, é um composto artificial que originalmente foi sintetizado e estudado para cuidar da hipertensão arterial e da “angina pectoris”, uma forma de doença cardiovascular.
Químicos e pesquisadores da companhia farmacêutica Pfizer descobriram que, enquanto a droga tinha pouco efeito sobre a angina, induzia, por outro lado, a erecção peniana, em especial num período de 30 a 60 minutos. Antevendo a oportunidade económica de tal efeito bioquímico, a Pfizer decidiu levar ao mercado, cercada de grande publicidade, a droga para a impotência.
Sildenafil foi patenteada em 1996 e, em meros dois anos depois – um tempo espantosamente curto se comparado a outras drogas –, foi aprovada pela FDA para uso no tratamento da “disfunção eréctil”, a nova denominação clínica para impotência. Embora sem confirmação, acredita-se que a droga foi inventada por Peter Dunn e Albert Wood.

viagra-ice-cream

O impressionante sucesso do Viagra foi praticamente instantâneo. Somente no primeiro ano, a pílula, cujo valor unitário de lançamento rondava entre 8 e 10 dólares para a venda nas farmácias, rendeu cerca de um bilião de dólares.
O impacto do Viagra na indústria farmacêutica e médica, assim como na consciência colectiva do público, em particular masculino, foi também enorme. Apesar de somente disponível inicialmente com prescrição médica, o Viagra foi anunciado pela televisão, em propaganda que se tornou famosa com o testemunho do ex-candidato presidencial Bob Dole, então com os seus 75 anos. Esta campanha promocional que se dirigia directamente ao público alvo preferencial não tinha precedentes em casos de prescrição de medicamentos.

Viagra_in_Pack

Estimava-se que cerca de 30 milhões de homens nos Estados Unidos sofriam de disfunção eréctil, o que levou a uma onda de novos produtos competidores do Viagra, entre eles Cialis (tadalafil) e Levitra (vardenafil), a entrar vigorosamente no mercado.

As companhias farmacêuticas alargaram o público alvo para atingir não apenas a homens com a idade aproximada de Dole, mas também aqueles entre 30 e 40 anos.

Como acontece com muitas drogas, os efeitos secundários de longo prazo sobre a saúde masculina ainda não estão suficientemente claros. A bula desses medicamentos costuma alertar aqueles que sofrem de determinados transtornos cardíacos. No entanto, a popularidade das drogas que tratam da disfunção eréctil continua crescendo e não há sinais de queda.