1869 – Nascia Calouste Gulbenkian

23 de Março  1869

Calouste Gulbenkian, um dos pioneiros do desenvolvimento petrolífero no Médio Oriente, nasceu em 1869, em Istambul (Turquia), descendente de uma abastada família de comerciantes arménios. estudou em Londres e aos 18 anos diplomou-se em Engenharia. Elaborou vários trabalhos sobre as potencialidades da exploração do petróleo no Médio Oriente, sendo o primeiro a impulsionar esta indústria no Golfo Pérsico, e serviu de ligação entre as indústrias petrolíferas americanas e russas. Ajudou também a organizar a Turkish Petroleum Co. – hoje, Iraq Petroleum Company.

Depois da Primeira Guerra Mundial, fixa residência em França. E, em 1928, participa no acordo de divisão da velha Turkish Petroleum Company, o que lhe valeria a alcunha de “o senhor cinco por cento”. Esse acordo consistia na atribuição, a cada uma das companhias – BP, Shell Group, Companhia Francesa de Petróleos e Standard Oil/Mobil Oil – de 23,75 por cento do respectivo capital, cabendo a Calouste Gulbenkian os restantes cinco por cento.

Aliando o dinheiro ao amor pela arte, Gulbenkian foi reunindo uma vasta colecção de obras, valendo-se do seu estatuto diplomático para movimentar livremente as peças que adquirira.

colecionador17

No início da Segunda Guerra Mundial, Gulbenkian está em Paris, como conselheiro comercial da embaixada da Pérsia. Quando a França é invadida pelas tropas do III Reich, o Governo francês, então chefiado pelo general Pétain, muda-se para Vichy. Gulbenkian acompanha-o, ainda que  “muito contrariado”. Porém o facto não é visto com bons olhos pelo Governo inglês, que o toma como um acto de reconhecimento do governo de Vichy, e passa a considerá-lo um “tactical enemy”.

caloustgulben4

Entretanto, em Vichy, Gulbenkian conhece  o embaixador português Caeiro da Mata, e resolve vir passar duas semanas a Portugal, país que não conhecia, mas que os seus amigos lhe diziam satisfazer os seus desejos de sol e paz, tão próprios do povo arménio.

Em vez de duas semanas, Gulbenkian acabaria por ficar 13 anos, fixando residência no melhor hotel da capital, o Aviz (onde hoje fica situado o hotel Sheraton). Ocupava a suite D. Filipa de Lencastre, “era boa pessoa e pagava bem”, conta o seu criado de quarto, Adelino Sequeira. “Era de simpatias ou antipatias, mas sempre muito exigente”, acrescenta.

Calouste Saris Gulbenkian esteve dez anos sem sair de Portugal e a única vez que o fez foi numa visita a Paris. A sua vida na capital portuguesa era feita com os amigos Caeiro da Mata, o conhecido médico Fernando Fonseca e Azeredo Perdigão. Acompanhava-o também a sua secretária, Isabelle Riehl, a quem viria a oferecer um palacete em Sintra, nos Seteais.

Não se dava bem, nem com a mulher – Nevarte Gulbenkian, que residia em Paris e só veio uma vez a Portugal -, nem com o filho, Nubar Sarkis Gulbenkian, que era considerado como um “playboy”. Mantinha, no entanto, uma boa relação com a filha e o genro, Rita e Kevork Essayan, pais de Mikhael Essayan, um dos actuais administradores da Fundação.

img_654x1047$2013_11_21105708_60146

Gostava de gatos – “tinha sete ou oito”, diz o seu criado de quarto, “quatro siameses e quatro vadios”. Não tinha carro nem motorista particular. Andava sempre de táxi “com o senhor Esteves”, um motorista de Sintra que vinha a Lisboa sempre que Calouste Gulbenkian o chamava.

Passado algum tempo de Gulbenkian ter chegado a Lisboa, Azeredo Perdigão, advogado de renome, recebe um telefonema do hotel Aviz: dizem-lhe que falam da parte de “uma pessoa muito importante” que desejava consultá-lo e lhe pedia para ir ao hotel. Pouco depois telefona-lhe Caeiro da Mata, dizendo que a pessoa em causa “poderia ter um certo interesse para o país”. Azeredo Perdigão acede.

gulbenkian-foto-passsporte1

Enquanto o seu advogado, Azeredo perdigão viria a redigir o testamento de Calouste Gulbenkian em Junho de 1953. Nele, o testador legava a parte remanescente dos seus bens a uma Fundação que teria o seu nome e acolhesse a sua colecção de arte, espalhada por vários países. “As minhas obras de arte – dizia em 1947, em carta a Lord Crawford, – “são os meus amigos de toda a vida e julgo natural o sentimento de ansiedade que tenho sobre o seu lar”.

Por testamento, criava assim “uma instituição particular, portuguesa e perpétua, de fins caritativos, artísticos, educativos e científico”. Porquê em Portugal? Devido ao ”valor da paz portuguesa” e “à estabilidade das instituições que dão garantias aos instituidores”.

Nomeia seus executores testamentários Azeredo Perdigão, o genro Kerkov Essayan e Lord Radcliffe, cabendo a este último assumir a presidência da Fundação, por recusa do advogado português. “Isso significaria para mim um grande prejuízo material”, explica Azeredo perdigão.

Entretanto Lord Radcliffe recusa a presidência da Fundação, por esta implicar a sua mudança para Lisboa. Azeredo Perdigão vai então falar com Salazar e pergunta-lhe que deverá convidar para o cargo. “Quem tem de ser presidente da Fundação é o senhor; não tem alternativa”, responde-lhe o presidente do Conselho.

Em Julho de 1956 é promulgado o decreto-lei que institui a Fundação. na mesma altura, “perante a melhor sociedade lisboeta e na presença do senhor ministro da Educação nacional”, segundo a Imprensa da época, é feita a apresentação da Fundação Calouste Gulbenkian e do seu primeiro Conselho de Administração  -José de Azeredo Perdigão (presidente), Charles Kinshaw, D. Domingos de Sousa Holsteinbeck (Duque de Palmela) e Pedro Teotónio Pereira, embaixador português em Londres.