Em 1803 dá-se a Fundação do Colégio Militar

3  de Março  1803

Nos primeiros anos do século XIX foi fundado o Colégio da Feitoria, ou colégio regimental da artilharia da corte, que é principalmente recomendável pelo facto de ser convertido, não muito depois, no estabelecimento denominado Colégio Militar. 

No dia 3 de março de 1803, no sítio da Feitoria, junto da Torre de S. Julião da Barra, fundou o coronel António Teixeira Rebelo um colégio destinado a dar instrução aos filhos dos oficiais do regimento da artilharia da corte, do qual era então o comandante.

Contava o colégio dois anos de existência, quando, em 1805, o príncipe regente D. João, mais tarde D. João VI, o foi visitar, e sendo informado das muitas dificuldades com que lutava, mandou abonar 240 réis diários a cada colegial para sustentação própria, e proporcionar módica gratificação aos professores, que até então haviam ensinado gratuitamente.

10109_a

Desde o seu nascimento o Colégio esteve instalado em diversos locais ao longo de toda a sua vida. Inicialmente, foi seu berço a Feitoria, de 1803 a 1813. Por portaria de 1814 o Colégio é transferido para o edifício do Hospital de Nossa Senhora dos Prazeres, na Luz, com a designação de Real Colégio Militar, onde permanece até 1835. Depois passa para a extinta Congregação dos Missionários, denominada de Rilhafóles ( o efectivo havia sofrido um aumento substancial, nesta altura ), onde esteve de 1835 a 1848. Em 1848 é transferido para Mafra onde fica até 1859. Novamente na Luz até 1870, volta a Mafra até 1873, ano em que regressa para a Luz, onde se tem mantido até aos nossos dias.

3Marco2009_258

cm12