1938 –Jó Soares está de Parabéns !

16 de Janeiro 1938

Jô Soares (1938) é humorista, entrevistador, escritor, dramaturgo, director teatral e artista plástico. O lado entrevistador do humorista teve início em 1988, no programa “Jô Soares Onze e Meia”, no SBT, e desde o ano de 2000 apresenta o “Programa do Jô” na Rede Globo.

Jô Soares (1938) nasceu no Rio de Janeiro, no dia 16 de Janeiro de 1938. Filho do empresário paraibano Orlando Soares e da dona de casa Mercedes Leal, teve uma educação refinada, estudou no Colégio São Bento no Rio de Janeiro e até a adolescência viveu nos Estados Unidos e posteriormente na Suíça, para se preparar para a carreira diplomática, desejo que não se concretizou, pois o seu dom humorístico o levou para outro lado.

Em 1958 trabalhou na TV Rio actuando em shows de comédia e escrevendo argumentos. Em 1959 estreou no filme “O Homem do Sputnik”, dirigido por Carlos Manga, no género comédia. Nesse mesmo ano estreou no teatro, como o bispo, na peça “O Auto da Compadecida”. Passou a escrever para os programas humorísticos da TV Continental e actuava no Grande Teatro da TV Tupi.

Durante a década de 60, fez parte da equipa da TV Record, onde actuou nos programas humorísticos, “A Família Trapo” (1962), “Jô Show” (1965), “Praça da Alegria” (1967), “Quadra de Azes” (1969), entre outros.

Jo-Soares

Em 1970 Jô Soares foi contratado pela Rede Globo, onde participou em diversos programas, entre eles, “Faça Humor Não Faça Guerra” (1970), “Satiricon” (1973), “O Planeta dos Homens” (1976) e “Viva o Gordo” (1981). Nessa época representou personagens marcantes, entre eles, Francineide, o mordomo Gordon, irmão Carmelo, Norminha e Capitão Gay. Criou diversos bordões: ”tem pai que é cego”, “cala a boca, Batista”, “a ignorância da juventude é um espanto”, “vai pra casa, Padilha” etc.

No fim da década de 80, Jô Soares é contratado pelo SBT, onde em 1988 estreia “Viva o Gordo” e ganhou também o talk-show “Jô – Onze e Meia”. Em 1990, o artista da um tempo em sua carreira de humorista e passa a se dedicar ao teatro, à música e à literatura. Nessa época escreve o livro “O Xangô de Baker Street” (1995) e “O Homem que Matou Getúlio Vargas” (1998).

No dia 03 de abril de 2000, Jô Soares volta para a Rede Globo, para o programa de entrevistas chamado “O Programa do Jô”, por onde já passou diversas personalidades. Sem interromper a vida de escritor, publicou “Assassinatos na Academia Brasileira de Letras” (2005) e “As Esganadas” (2011). Em 2014, dirigiu a peça “Atreva-se”, que estreou no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo.

jo-soares-com-peruca-em-homenagem-a-neymar-1362451226617_1920x1080

maxresdefault (1)

maxresdefault

Institucional

Jô Soares