1805 – Morre o Poeta Bocage

21 de Dezembro 1805

Bocage (1765-1805) foi poeta português. O mais importante poeta português do século XVIII. O grande poeta do Arcadismo de Portugal. Sua poesia individualista e pessoal já era uma antecipação do que seria a poesia romântica do século XIX.

Bocage (1765-1805) nasceu em Setúbal, Portugal, no dia 15 de Setembro de 1765. Filho de José Luís Soares de Barbosa, juiz de fora e ouvidor, e de Mariana Joaquina Xavier l’Hedois Lustoff du Bocage, descendente de família da Normandia, região histórica do noroeste da França.

Com 14 anos de idade, assentou praça na Marinha. Em 1786 esteve no Brasil. Nesse mesmo ano viajou para o Oriente, permanecendo na Índia como guarda-marinha. Desertou da Marinha e passou a viver uma vida errante e boémia.

Em 1790, voltou à Lisboa. Iniciou sua actividade literária, seguindo a moda do Arcadismo, escrevendo poesias que falam de pastores, pastoras e ovelhas, observa-se também a utilização da mitologia clássica. O próprio nome do movimento, foi tirado de Arcádia, região da Grécia onde, segundo a mitologia, pastores e pastoras levavam uma vida inocente e feliz, em contacto com a natureza.

Bocage chegou a participar de uma espécie de associação de poetas chamada Nova Arcádia, com o pseudónimo de Elmano Sadino. Com o tempo abandonou a poesia artificial e começou a falar do seu mundo interior, de seus dramas amorosos e existenciais, numa linguagem que encontrou grande receptividade entre os leitores daquela época e dos séculos seguintes, sendo o poeta mais lido em Portugal.

Sua obra é muitas vezes classificada de transitória. Surgiu no momento marcado por grandes transformações na Europa, decorrente da Revolução Francesa e do florescimento do Romantismo. Sua poesia individualista pessoal já era uma antecipação do que seria a poesia romântica do século XIX. Bocage é um dos maiores sonetistas líricos da literatura portuguesa, junto com Camões e Antero de Quental. Escreveu todos os géneros literários de seu tempo: idílicos, odes, canções, epístolas e fábulas.

Acusado de satirizar o clero e a nobreza, foi processado e preso pela inquisição. Deixou fama de poeta satírico e, com o tempo, seu nome tornou-se sinônimo de contador de histórias picantes e obscenas. Durante o período que esteve preso, passou traduzindo autores franceses e latinos.

Manuel Maria Barbosa du Bocage faleceu em Lisboa, Portugal, no dia 21 de dezembro de 1805.

Bocage

bocage-1-728

frases-bocage

Manuel_Maria_Barbosa_du_Bocage