Acidente Radioactivo em Goiánia – Brasil

13 de Setembro 1987

Em 1987, o IGR (Instituto Goiano de Radiologia) estava fechado e no local havia um aparelho abandonado utilizado para fazer radioterapia, no seu interior existia o isótopo césio 137 dentro de uma cápsula, que até então era blindada. O césio 137 é um isótopo do césio por possuir o mesmo número de protões e diferente número de neutrões  e é um radioisótopo por ser emissor de radiação.

Sem abrigo, em busca de algo que pudesse ser vendido como ferro velho, invadiram o antigo IGR e levaram para casa a cápsula que continha o césio 137. O problema surgiu quando eles violaram a cápsula e tiveram acesso ao elemento radioativo que lá estava.
Após a violação da cápsula, pessoas, animais, superfícies e quase tudo o que estava nas imediações sofreram irradiação e foram contaminadas pelo césio 137.

A radiação emitida por esse isótopo possui a capacidade de remover electrões e essa remoção em seres vivos ocasiona alterações genéticas que podem resultar em câncer, síndrome de down, albinismo, anemia, dentre outras.

No total 1000 pessoas foram expostas aos efeitos do césio. Destas, 129 pessoas apresentaram contaminação corporal interna e externa concreta, vindo a desenvolver sintomas e foram apenas medicadas . Porém, 49 foram internadas, sendo que 21 precisaram sofrer tratamento intensivo; destas, quatro não resistiram e acabaram por morrer

Até hoje todos os contaminados ainda desenvolvem enfermidades relativas à contaminação radioativa, facto este muitas vezes não noticiado pela imprensa brasileira.

1280px-thumbnail

foto_de_yozhikazu_maeda_-_pessoas_contaminadas_por_cesio-137_acampadas_no_estadio_olimpico

 

FERRO VELHO CONTAMINADO COM O CÉSIO-137, DE PROPRIEDADE DE DEVAIR, VISTA AÉREA, OUT/87 FOTO: YOSIKAZU MAEDA

FERRO VELHO CONTAMINADO COM O CÉSIO-137, DE PROPRIEDADE DE DEVAIR, VISTA AÉREA, OUT/87
FOTO: YOSIKAZU MAEDA

GOIANIA-GO ED-CIDADES VITIMAS  DO  CÉSIO  137 REMOÇÃO  DO  LIXO  RADIOATIVO  DA  ÁREA  DO  FERRO  VELHO. FOTO CARLOS  COSTA 07/10/87