Voo 655 da Iran Air – O dia em que os USA se “enganaram”

3 de Julho 1988

Em 3 de Julho de 1988, o estreito de Ormuz foi palco de uma das mais controversas tragédias da aviação da História, quando o voo 655 da companhia iraniana Iran Air, um Airbus A300, foi abatido por um navio de guerra da marinha americana, o USS Vincennes (CG-49). Todos os 290 passageiros e tripulação a bordo morreram (entre os quais 66 crianças).

O Voo 655 da Iran Air (IR655) cumpria uma rota comercial entre Teerão e Dubai, com escala em Bandar Abbas. No trecho entre Bandar Abbas e Dubai, o A-300 foi abatido por um míssil. O Navio da Marinha americana (USS Vincennes) identificou erroneamente a aeronave de passageiros iraniana como um caça militar F-14A Tomcat em procedimento de ataque.

À época o Irão estava em guerra com o Iraque e tinha conhecimento de que os Estados Unidos apoiavam indirectamente o governo de Saddam Hussein, com informações de satélite e incentivo para que terceiros países lhe oferecessem material bélico.

Os Estados Unidos, com a finalidade manter a estabilidade da oferta de petróleo, também vinham protegendo os petroleiros do Kuwait que transportavam as exportações de petróleo iraquiano.

Diante deste quadro geopolítico, o Irã sempre questionou o abate da aeronave afirmando que o ato caracterizava um maior envolvimento dos EUA em favor do Iraque. Em meio ao “embroglio internacional” o Governo americano propôs um cessar-fogo ao Iraque de Saddam, que foi aceito e posteriormente levou ao fim do conflito com o Irão.

Iran Air 655

Iran_Air_A300-600_EP-IBA

USS_Cape_St._George_missile