Celebra se a estreia da 9ª Sinfonia de Beethoven

7 de Maio 1824

sinfonia n.º 9 em ré menor, op. 125, “Coral”, é a última sinfonia completa composta por Ludwig van Beethoven. Completada em 1824, a sinfonia coral mais conhecida como Nona Sinfonia ou ainda, A Nona, é uma das obras mais conhecidas do repertório ocidental, considerada tanto ícone quanto predecessora da Música Romântica, e uma das grandes obras-primas de Beethoven.

A nona sinfonia de Beethoven incorpora parte do poema An die Freude (“Á alegria”), uma ode escrita por Friedrich Schiller, com o texto cantado por solistas e um coro no seu último movimento. Foi o primeiro exemplo de um compositor importante que tenha utilizado a voz humana com o mesmo destaque que a dos instrumentos, numa sinfonia, criando assim uma obra de grande alcance, que deu o tom para a forma sinfônica que viria a ser adotada pelos compositores românticos.

A sinfonia n.º 9 tem um papel cultural de extrema relevância no mundo atual. Em especial, a música do último movimento, chamado informalmente de “Ode à Alegria”, foi rearranjada por Herbert  von Karajan para se tornar o Hino da União Europeia. Outra prova de sua importância na cultura atual foi o valor de 3,3 milhões de Dólares atingido pela venda de um dos seus manuscritos originais, feita em 2003 pela Sotheby´s, de Londres. Segundo o chefe do departamento de manuscritos da Sotheby’s à época, Stephen Roe, a sinfonia “é um dos maiores feitos do homem, ao lado do Hamlet e do Rei Lear de Shakespeare”.

Foi apresentada pela primeira vez em 7 de Maio de 1824, no Karntnertortheather, em Viena, na Áustria. O regente foi  Michael Umlauf, director musical do teatro, e Beethoven – dissuadido da regência pelo estágio avançado de sua surdez – teve direito a um lugar especial no palco, junto ao maestro.

maxresdefault

Thirteen-year-old_Beethoven

Beethoven